Head Barco

CONSELHO COORDENADOR DA IGREJA PRESBITERIANA UNIDA DO BRASIL – CCIPU

SOBRE O APOIO DE LÍDERES EVANGÉLICOS AOS ATAQUES DE ISRAEL CONTRA PALESTINOS NA FAIXA DE GAZA

PRONUNCIAMENTO Nº 07/2014

O Conselho Coordenador da Igreja Presbiteriana Unida do Brasil – CC-IPU, no uso de suas atribuições e tendo em vista as manifestações de algumas lideranças intituladas evangélicas brasileiras em reação à condenação do governo brasileiro aos ataques feitos por Israel à Faixa de Gaza, resolve fazer o seguinte

PRONUNCIAMENTO

em que a Igreja Presbiteriana Unida do Brasil – IPU:

  1. Rejeita e condena toda e qualquer forma de guerra, independentemente de sua motivação: política, ideológica ou religiosa, considerando que essa fere o princípio básico do cristianismo – de amor ao próximo –, atinge inocentes que nada têm a ver com ela, acirra os ânimos entre as nações e deixa terríveis sequelas para os países e povos envolvidos;
  2. Considera inaceitável a escalada de violência no Oriente Médio, com o lançamento de foguetes pelo Hamas contra alvos civis de Israel e o uso desproporcional da força por Israel contra a população civil desprotegida da Faixa de Gaza;
  3. Repudia, veementemente, a afirmativa de grupos evangélicos fundamentalistas de que “Quando o governo fala mal de Israel, fala mal de nosso Jesus. E Israel tem o direito de se defender e de existir“, pois ela é expressão do crescente sionismo cristão em alinhamento com o estado de Israel, segmentos judaizantes que o apóstolo Paulo combateu durante todo o seu ministério;
  4. Reitera que a fé cristã é supranacional, supracultural e que o Jesus Cristo histórico, embora nascido judeu, uma vez ressurreto e glorificado, é Senhor de todas as coisas, visíveis e invisíveis, e não cidadão de Israel;
  5. Alerta aos membros de suas igrejas e aos cristãos em geral, que não se deixem representar por falsos líderes intitulados evangélicos que distorcem a realidade, com interpretações fundamentalistas da Palavra de Deus, a ponto de aceitar como natural a matança indiscriminada de quase 2.000 palestinos, até a data deste pronunciamento, a grande maioria inocentes e indefesos;
  6. Apoia toda e qualquer iniciativa de negociação para por fim ao conflito entre israelenses e palestinos, com base no respeito aos direitos das nações e nos princípios de justiça, com vistas ao pleno estabelecimento da paz.

Que o Deus de paz e justiça oriente os líderes políticos mundiais, aos quais compete empreender todos os esforços para buscar a paz duradoura, em que israelenses e palestinos tenham direito a seus estados autônomos e independentes.

Este pronunciamento poderá ser reformado pela Assembleia Geral da IPU.

 

Vitória/ES, 7 de agosto de 2014.

Conselho Coordenador da IPU – 2014-2017